Os Modelos Atômicos

Os modelos atômicos surgiram da necessidade de um entendimento sobre a constituição da matéria. Filósofos gregos já concebiam a ideia de átomo, quando idealizaram que todo tipo de matéria era formada de minúsculas partes, e que poderiam ser divididas em pedaços cada vez menores, até chegar em uma partícula extremamente pequena, que seria indivisível. Daí veio o nome “átomo“. A palavra vem do grego, e quer dizer indivisível.

Até o final do século XIX, acreditava-se que realmente o átomo era a menor parte em que se poderia dividir a matéria. No entanto, hoje se sabe que o átomo se divide em partes ainda menores: as partículas subatômicas.

Os Modelos Atômicos e Seus Criadores

Ao longo do tempo, baseando-se em observações e experimentações, outros estudiosos foram criando novas teorias sobre esta partícula indivisível, criando os modelos atômicos. Veja abaixo quais foram esses modelos e quem foram os estudiosos que os criaram:

Modelo de Dalton

Em 1803  Dalton propôs o 1º modelo atômico, que ficou conhecido como “bola de bilhar“, onde observou que:

  • O átomo é uma partícula minúscula, indivisível e não transformável. Átomos de um mesmo elemento apresentam propriedades semelhantes (forma, tamanho e massa).
  • Cada composto químico apresenta uma proporção numérica de átomos (1:1, 1:2, 3:6, etc).
  • Reações químicas nada mais são do que a reorganização de átomos.

Modelo de Dalton: esfera maciça

Modelo de Thomson

Em 1897, partindo de experiências realizadas em um  tubo de raios catódicos, Thomson pôde formar sua teoria, onde dizia que:

  • O átomo é uma esfera de carga positiva, incrustada de elétrons de carga negativa.
  • As quantidades de cargas negativas e positivas são iguais. O átomo é neutro uniformemente.

Modelo de Thomson: pudim de passas

Modelo de Rutherford

Em 1911 o físico Ernest Rutherford fez uma série de experiências que consistiam basicamente em atingir uma lâmina metálica muito fina com um feixe de partículas alfa, que deveriam atravessá-la sem desviar de sua trajetória. Porém, observou-se que uma pequena quantidade destas partículas sofreu grande desvio na sua rota. Deste experimento Rutheford desenvolveu um novo modelo para o átomo, onde concluiu que:

  • O átomo não seria uma esfera maciça, e sim uma estrutura com um núcleo muito pequeno, maciço e positivo, e ao seu redor, ocupando quase todo o volume do átomo, encontrava-se o que ele denominou de eletrosfera: um espaço vazio onde elétrons se movimentavam circundando o núcleo. Criou assim o modelo chamado planetário.

Modelo de Rutheford: modelo planetário

Modelo de Bohr

Em 1913, os estudos de Bohr surgiram basicamente para explicar porque os elétrons se movem ao redor do núcleo sem se chocar com ele. Em seus postulados ele afirma que:

  • Os elétrons giram em órbita (chamadas também de camadas de energia) circular ao redor do núcleo e possuem um valor de energia determinado.Quanto mais distante do núcleo, maior a energia do nível.
  • Ao receber ou perder energia, os elétrons podem “saltar” entre estas camadas.
  • As propriedades químicas dos elementos eram determinadas pelos elétrons da camada mais externa.

Modelo Atômico de Bohr: modelo atual

Comentários
  1. yasmin
  2. Andressa rezende

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *