Ligas Metálicas

Poucos são os metais puros que têm todas as qualidades que deles se exigem para a utilização industrial. Por isso, é comum combiná-los com outros, obtendo uma liga metálica, que muitas vezes, apresenta qualidades técnicas superiores às dos metais que a compõem, se forem usados separadamente.

O cobre, por exemplo, é um metal macio e bastante frágil em seu estado puro. Quando ligado ao zinco, porém, obtém-se o latão, que oferece uma resistência muito maior do que o cobre ou o próprio zinco. Valendo-se desse processo, é possível conseguir múltiplas combinações: acrescentando-se estanho ao cobre, obtém-se o bronze; este pode servir para reforçar alumínio, quando adicionado a ele.

São várias as combinações que formam ligas diferentes. E cada uma é usada para um tipo de função, como veremos abaixo.

Classificação das Ligas

Costuma-se classificar as ligas, tendo como referência o metal que lhes serve de base. Assim, temos ligas à base de ferro, cobre, alumínio, níquel, chumbo, estanho, manganês.

As ligas ferrosas são as mais comuns. A mais conhecida liga à base de ferro é o aço, que no entanto, não é produto da mistura de dois metais, mas sim de um metal (o ferro) e um não-metal (o carbono). Porém, através da adição de outros metais, podem ser produzidos aços especiais. É o caso dos aços inoxidáveis, que são obtidos pela adição de níquel e cromo aos aços que possuem baixo teor de carbono.

ligas metalicas

Na produção das ligas metálicas os metais e outros elementos são submetidos à tratamentos térmicos para se combinarem

O aço varia também de acordo com a concentração de carbono. Quanto mais carbono, mais forte é a liga. As ligas com baixo teor de carbono (geralmente até 0,25%) são mais moles e fracas, porém possuem uma ductilidade e uma tenacidade excepcionais. É o tipo de aço mais barato.

As ligas com médio teor de carbono são bem mais resistentes, tendo entre 0,25 a 0,60% de carbono na composição. E quando se tem entre 0,60 e 1,4% de carbono em uma liga dizemos que é uma liga de alto teor de carbono. São mais duras e resistentes, porém menos dúcteis. Muito usadas para a fabricação de ferramentas de corte, como facas, ou lâminas de serra para cortar metais e molas.

Chamamos de não ferrosas as ligas que não contêm ferro em sua composição.

Ligas de Metais Preciosos

De grande importância são também as ligas de metais preciosos. A prata de lei, por exemplo, é uma liga de 92,5% de prata e 7,5% de cobre. O ouro amarelo utilizado pelos joalheiros é uma liga de ouro com cobre ou prata, que são adicionados para obtenção de maior dureza. As ligas de platina resultam da junção com metais do seu grupo, como o irídio e o rutênio.

Relacionados

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *