Mitos Sobre a Língua Portuguesa

Muitos acham a gramática chata e não gostam de estudá-la. Isto acontece porque a gramática geralmente é ensinada de forma decorada, com frases repetitivas.

Mas estudar a Língua Portuguesa é fundamental para se dar bem qualquer outra matéria e também em qualquer emprego. Para descontrair um pouco, vamos falar agora sobre “cinco mentirinhas” que sempre nos contaram sobre a Língua Portuguesa, que sempre acreditamos, e que agora podemos perceber com a famosa “decoreba” nem sempre é correta.

Vírgula é pausa para respirar

Com certeza, ninguém nunca morreu por não usar a vírgula ao falar. Mesmo sem a presença da vírgula é possível respirar. Ela é somente um fenômeno sintático, que ajuda na formação das frases, para facilitar seu entendimento.

Não existe crase antes de palavras masculinas

lingua portuguesa

Veja algumas mentirinhas da língua portuguesa

Às vezes existe sim! Realmente a crase é muito mais usada antes de palavras femininas, mas em alguns casos, ela pode aparecer antes de palavras masculinas. Veja a frase: Ele fez um gol à Ronaldinho Gaúcho! Antes do nome Ronaldinho Gaúcho está implícito o termo “à moda de”, o que explica o fato da crase estar ali.

Outro exemplo é quando antes da palavra masculina estiver implícita uma palavra feminina: Refiro-me à menina da esquerda, não à (menina) do meio.

Dedicou-se àquele serviço voluntário por toda a vida. Nesta frase, a crase está em uma palavra masculina. Isto pode ocorrer diante do pronome aquele.

Til é acento e marca sílaba tônica

O til não é um acento, mas sim um sinal gráfico que marca a nasalidade da sílaba. E nem sempre ele marca a sílaba tônica. Na palavra “órfão”, por exemplo, a sílaba tônica é “ór”.

A palavra “bastante” não é flexionada

Se ela for um advérbio, não, mas se for um adjetivo, é flexionada e fica “bastantes”. Exemplo: Há bastantes dicas neste livro.

Gramática é bobagem, só importa a mensagem

Erros de gramática podem atrapalhar a compreensão da mensagem. É sempre importante estudar, entender e saber usar a gramática.

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *