Manuel Bandeira

Manuel Bandeira nasceu em Recife (PE) no dia 19 de abril de 1886 e morreu no dia 13 de outubro de 1968. Foi um importantíssimo poeta brasileiro, crítico de artes, historiador da literatura, cronista, tradutor, professor, além de fazer diversas conferências e escrever a biografia de seus colegas escritores Álvares de Azevedo, Gonçalves Dias, Castro Alves, Casimiro de Abreu e Junqueira Freire.

Biografia

Filho de Francelina Ribeiro de Souza Bandeira e do engenheiro civil Manuel Carneiro de Souza Bandeira, Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho queria ser arquiteto, mas por conta de uma tuberculose não foi possível. Durante sua vida, morou em vários lugares em busca de tratamento da doença entre eles a Suíça, onde conheceu o escritor Paul Éluard com quem teve conhecimento sobre as inovações artísticas europeias e a nova forma de escrever versos livres na poesia, do qual ficou conhecido como Mestre do Verso Livre no Brasil.

Aos 10 anos de idade mudou-se para o Rio de Janeiro com a família, onde estudou no Externato Ginásio Nacional, atual Colégio Pedro II, e formou-se em letras. Em 1903 entrou para o curso de engenheiro/arquiteto, na Escola Politécnica de São Paulo. Mas no ano seguinte parou o curso e foi buscar tratamento para a tuberculose, passou pelas cidades de Campanha em Minas Gerais, Petrópolis e Teresópolis no Rio de Janeiro e Clavadel na Suíça.  Apesar da luta contra a doença, Manuel Bandeira viveu 82 anos e teve uma das mais brilhantes histórias e construiu uma das maiores carreiras poéticas da moderna literatura brasileira.

Quando voltou ao Brasil, Manuel Bandeira deu início a sua carreira literária em periódicos. Em 1917, a primeira publicação “A cinza das horas” reunia todos os poemas que ele compôs durante sua doença. O livro falava da sua tradição, das raízes culturais, buscando evidenciar a simplicidade. Já em  1919, estava publicado o segundo livro de poemas “Carnaval” que tratava de forma deliberada a a liberdade da composição rítmica. No livro estavam poemas famosos como “Os sapos”, uma sátira ao Parnasianismo.

Prêmios

Em 1937 ganhou o prêmio por conjunto de obras da Sociedade Felipe d’Oliveira e em 1947 o prêmio de poesia do Instituto Brasileiro e Cultura.

Principais Obras

Eu sua obra, Manuel Bandeira aborda vários temas sendo os mais comuns comuns a infância, o amor e paixão pela vida mas também a morte. Erotismo, solidão e agústia também aparecem em suas obras principais. Vejamos abaixo algumas:

Manuel Bandeira

Manuel Bandeira

Prosa

  • Crônica da Província do Brasil
  • Guia de Ouro Preto
  • Autoria das Cartas Chilenas
  • Noções de História das Literaturas
  • Apresentação da Poesia Brasileira
  • Literatura Hispano-Americana
  • Gonçalves Dias: biografia
  • De Poetas e de Poesia
  • Itinerário de Pasárgada
  • A Flauta de Papel
  • Itinerário de Pasárgada
  • Andorinha, Andorinha
  • Colóquio Unilateralmente Sentimental
  • Seleta de Prosa
  • Berimbau e Outros Poemas
  • Crônicas inéditas I & II

Poesia

  • 1917 – A Cinza das Horas
  • 1919 – Carnaval
  • 1924 – O Ritmo Dissoluto
  • 1939 – Libertinagem
  • 1936 – Estrela da Manhã
  • 1940 – Lira dos Cinquent’anos
  • 1948 – Belo, Belo
  • 1948 – Mafuá do Malungo
  • 1952 – Opus 10
  • 1960 – Estrela da tarde
  • 1966 – Estrela da Vida Inteira

Veja o poema mais famoso de Manoel Bandeira

Vou-me Embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcaloide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *