Renascimento Cultural

O Renascimento Cultural foi um movimento que teve seu início na Itália no século XIV e se estendeu por toda a Europa até o século XVI.

As condições básicas que proporcionaram o Renascimento Cultural foram as transformações socioeconômicas ocorridas na Europa durante a Baixa Idade Média:

  • expansão urbano-comercial;
  • a ascensão da burguesia;
  • fortalecimento do poder real;
  • a fundação de universidades;
  • renovação dos contatos com o mundo oriental.

Mecenas

Os ricos mercadores agiam como mecenas, financiando artistas e literatos, pois isso significava prestígio político. Os Mecenas eram os reis, príncipes, condes, duques, bispos, nobres e burgueses poderosos, dotados de poderes econômicos, os quais financiavam e incentivavam as artes no período da Renascença. A posse de muitas obras de arte em casa representava riqueza, patrimônio e, com isso, crédito junto aos banqueiros, além de projeção e status social.

Antropocentrismo

Antropocentrismo

Antropocentrismo

A palavra antropocentrismo vem do grego, anthropos “humano” e kentron “centro”, que significa homem no centro. Havia uma crescente valorização do ser humano em oposição ao teocentrismo medieval que colocava Deus e o misticismo no centro das preocupações filosóficas. Como reação, os renascentistas estimulavam o antropocentrismo e o humanismo, ou seja, o ser humano como sendo o centro de atenção de todas as áreas de conhecimento. Por isso, os renascentistas procuravam inspiração na Antiguidade Clássica, nos modelos greco-romanos, onde estes ideais estavam presentes.

Humanismo

A princípio, o Humanismo foi identificado com a valorização de disciplinas relacionadas à vida humana, como Matemática, Línguas, História e Filosofia laica (não ligada à religião). Eram os estudos de humanidades. No primeiro momento, o Humanismo preocupou-se em buscar nas pessoas suas belezas, seus aspectos positivos, em contrapartida ao pensamento medieval, que entendia os seres humanos como “frutos do pecado”.

É importante destacar que o processo de valorização da humanidade não significou uma ruptura com a religião, ou seja, as pessoas não se tornaram descrentes. O Humanismo renascentista não rompeu com a ideia criacionista – permanecendo a ideia de que Deus criou a Terra e as pessoas – mas mudou a relação entre esses elementos.

Posteriormente, o Humanismo passou a identificar aqueles que analisavam de forma crítica as condições sociais, buscando uma outra maneira de viver distanciada daquele universo mágico e sombrio da Idade Média, e mais condizente com a nova realidade social.

Racionalismo

O conhecimento humano era uma constante preocupação filosófica. Por isso ficou conhecido como Racionalismo a corrente filosófica que atribuía confiança à razão humana, acreditando que vinha dela os conhecimentos. Segundo o racionalismo, tudo o que existe tem uma causa inteligível, ou seja, para atingir a verdade absoluta era preciso o pensamento por meio da razão.

Assim, o raciocínio lógico seria construído através da dedução de ideias, tal como os conhecimentos de Matemática, por exemplo.

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *