Regimes Fluviais

Os regimes fluviais são, basicamente, de dois tipos: simples e mistos. Esses dois regimes, por sua vez, subdividem-se em várias categorias, segundo o tipo de alimentação:

Regime Glacial

Caracterizado pela presença de geleiras em 25 a 30% da área da bacia. Trata-se de um regime simples, em que as variações são sempre determinadas pela temperatura: no verão, o gelo derrete e engrossa o caudal; no inverno, mesmo que chova, forma-se gelo.

Regime Nival de Montanha

regimes fluviais

Regimes fluviais

Em montanhas pouco elevadas, a neve acumulada no inverno derrete-se com o aumento da temperatura e não há formação de geleiras.

A neve começa por derreter nas regiões mais baixas, fundindo-se posteriormente nas mais altas, e alimenta o rio durante parte do verão.

Regime Nival de Planície

Nas grandes planícies da Eurásia e da América do Norte, os rios alimentam-se das neves que caem durante o inverno, recebendo um auxílio secundário das chuvas.

Regime Pluvial Intertropical

Os rios da zona intertropical são basicamente alimentados pelas chuvas, sendo o tipo mais simples deste regime constituído por uma estação chuvosa e outra seca. Próximo ao equador, o regime apresenta duas cheias e duas vazantes.

Regime Pluvial de Zona Temperada

Pode ser continental ou oceânico. No continental, nevascas transformam o rio em bacia mista. No oceânico, aparece uma estação de chuvas abundantes e uma de chuvas escassas, ocorrendo o período de enchente no inverno, pela incapacidade de evaporação.

Regime Pluvial Subtropical

Os rios desse tipo (os do extremo sul do Brasil são um exemplo) caracterizam-se por uma distribuição de águas que permite distinguir três máximos relativos, separados por períodos de pluviosidade média.

Relacionados

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *