As Doutrinas do Poderio dos Estados Unidos

A superpotência chamada Estados Unidos da América, começou a crescer já nas primeiras décadas do século XX, deixando de ser apenas treze pequenas colônias esquecidas no séculos XVI, XVII e XVIII. Após a Segunda Guerra Mundial, o país se tornou a superpotência econômica e bélica, que é até hoje.

Algumas doutrinas, posicionamentos intelectuais, filosóficos e até religiosos colaboraram para esse sucesso. Veremos algumas.

Iluminismo

A independência dos Estados Unidos se deu baseada nas ideias do Iluminismo (democracia, o liberalismo econômico, liberdade de culto e de pensamento). Por isso, podemos dizer que este movimento contribuiu para o poderio do país.

estatua da liberdade

Estátua da Liberdade, um dos símbolos dos EUA

Destino Manifesto

Após sua independência, foi criado o Destino Manifesto, que pregava que os americanos eram eleitos por Deus para levar “progresso” e a “civilização”a outros povos. Devido a esse pensamento, milhares de índios e mexicanos foram mortos em meados do século XIX, para realizar expansões territoriais.

Liberalismo Econômico

Este é um dos ideais do Iluminismo, que teve grande importância no crescimento dos EUA, principalmente na construção de indústrias. Em meados do século XIX, o país já se despontava como a quinta nação do mundo em produção industrial. A verdade é que dentro do país existiam grandes monopólios, que formavam grupos empresariais enormes e fortes, que existem até hoje. 

Doutrina Monroe

Essa doutrina era contra qualquer interferência dos países europeus na economia dos EUA. A ideia de que a América é para os americanos contribuiu para o início da hegemonia estadunidense em toda América.

Protestantismo

O Protestantismo defendia a ideia de que as pessoas que acumulam dinheiro e gastam com benefícios próprios, são escolhidas por Deus, sendo esse dinheiro fruto de merecimento. Esse movimento foi mais um fato que contribuiu para a formação da superpotência conhecida por todos como os Estados Unidos da América.

Relacionados

Comentários
  1. matheus henrique

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *